Aleluia
Sérgio Ricardo
Che Guevara não morreu
Não, não morreu, Aleluia
Che, eu creio no teu canto
Como um manto em minha dor
E que todo desencanto
seja ressuscitador
Vejo o mundo dividido
Contenplando o reviver
Da esperança que morria
No silêncio do teu ser
Che Guevara não morreu
Não, não morreu, Aleluia
Che, eu creio seja eterna
Esta rosa agreste e branca
Brotada no teu sorriso
Que nem mesmo a morte arranca
E que siga em tua estrada
Outro irmão com tua mão
Com teu fuzil retomado
Com teu risco e decisão
Che Guevara não morreu
Não, não morreu, Aleluia
Che, eu creio em tua volta
Sem dar muita explicação
Como a folha vai no vento
Como a chuva no sertão
Ouço a América entoando
Novamente o canto teu
Espalhando pelos campos
A morte que não se deu
Che Guevara não morreu
Não, não morreu, Aleluia


CHE GUEVARA NO MORIÓ

Che guevara no murió
No, no murió
Aleluya
Che, yo creo en tu canto
Como un manto en mi dolor
Y que todo desencanto
Sea resucitador
Veo el mundo dividido
Contemplando el renacer
De la esperanza que moria
En el silencio de tu ser
Che guevara no murió
No, no murió
Aleluya
Che, yo creo sea eterna
Esta rosa agreste y blanca
Brotada de tu sonrisa
Que ni la misma muerte arranca
Y que sigue en tu camino
Etro hermano con tu mano
Con tu fusil retomado
Con tu riesgo y decisión
Che guevara no murió
No, no murió
Aleluya.

(Publicado en el libro POEMAS AO CHE, Instituto del Libro, La Habama, 1969. Selección y compilación de Xosé Neira Vilas - Pg. 218 y 219)