Gira-sol
Sérgio Ricardo
Sol, Gira-sol
Gira-girou
Vão meus passos girando a rua
A rua girando o mundo
E o mundo gira a girar
Volta e meia a vida se solta
E vem a reviravolta
E nada volta ao lugar

Volta e meia o passo gira girando
E passo a passo gira a ciranda
E roda-roda a recordação
E repassa o pouso mudo em varanda
A nostalgia não era tanta
Era tão branda a desilusão
Ai ai
Era tão branda a desilusão

Gira, gira passo a tôa sem tempo e lugar
Passa mundo Minuano mudando a mudar
Gera, gera o dia a dia no meu caminhar
Vim colher esta esperança que semeia o ar

Sol, gira-sol
Gira-girou
Vão meus passos girando a rua
A rua girando o mundo
E o mundo gira a girar
Volta e meia a vida se solta
E vem a reviravolta
E nada volta ao lugar

Vou seguindo o rito e ouvindo o grito
Da metrópole em passo aflito
E sigo em média o seu caminhar
Corta o meu pensar o som da buzina
Então dispenso e paro na esquina
Sinal vermelho pra se pensar
Ai ai
Sinal vermelho pra se pensar

Vem querência em toda gente
manchete em jornal
Roda vento Minuano é pó é pedra é pau
Quebra vento minorando a dó a dor o mal
Vou girando esta esperança ao abrir-se o sinal

Sol, gira-sol
Gira-girou
Vão meus passos girando a rua
A rua girando o mundo
E o mundo gira a girar
Volta e meia a vida se solta
E vem a reviravolta
E nada volta ao lugar