Toada de Ternura
Thiago de Lello / Sérgio Ricardo
Meu companheiro menino
Perante o azul de teu dia
Trago sagradas primícias
De um reino que vai se erguer
De claridão e alegria

É um reino que estava perto
De repente ficou longe
Não faz mal vamos remando
Porque é preciso chegar

Teu remo ferindo a noite
Vai construindo a manhã
Na proa de teu navio
Seguiremos pelo mar

Talvez cheguemos por terra
Na poeira do caminhão
Um doce rastro varando
As fomes da escuridão
Não faz mal se vais dormindo
Porque teu sono é canção

Vamos andando menino
Tu vais de estrela na mão
Tu vais levando o pendão

Tu vais plantando ternuras
Na madrugada do chão

Leva contigo a infãncia
Ardendo no coração
Porque é de amor e de infância
Que o mundo tem precisão