2000 - 2004
Um novo século se inicia e com ele são lançados dois CDs de Sérgio Ricardo. O primero é Estória de João-Joana, pelo selo MEC, com interpretações de Chico Buarque, João Bosco, Geraldinho Azevedo, Elba Ramalho, Telma Tavares e Alceu Valença.

E ainda Quando Menos se Espera, pela Niterói Discos, com composições de sua autoria, dividindo as faixas com as vozes de suas filhas Adriana e Marina Lutfi.

A convite de Jorge Roberto da Silveira, Prefeito de Niterói, concebe e produz o projeto de shows Palco Livre, na lona da Cantareira, que acontece todas as terças-feiras. O sucesso é absoluto. A filosofia de revelar novos valores e resgatar valores esquecidos da mídia se mostra acertada. Uma amostra da melhor produção da música brasileira.

Conclui a peça Bandeira de Retalhos no ano seguinte e cria novas composições.

É homenageado no Festival de Cinema de Brasília, com seu filme A noite do Espantalho abrindo o festival no Teatro Villa-Lobos. Antes do filme, é realizada a quarta apresentação do concerto Estória de João-Joana com a Orquestra Sinfônica regida pelo maestro carioca Silvio Barbato. O canto é dividido entre Sérgio Ricardo, Telma Tavares e Marina Lutfi.

Muda-se para Niterói em 2002. Dedica-se ao Palco Livre como atividade principal. O projeto entra em seu segundo ano de sucesso, mas é interrompido pela Prefeitura.

Neste mesmo ano é convidado a dar uma oficina de Música para Cinema, em Fortaleza. No festival local é exibido A Noite do Espantalho.

Faz alguns shows com nova banda, especialmente no circuito Sesc, em São Paulo.

Em 2004, aos 71 anos de idade, troca as cordas do instrumento para realizar um show de voz e violão: Ponto de Partida. Aperfeiçoando a execução, voz e arranjos de um repertório síntese de seus trabalhos musicais.